• LinkedIn - White Circle
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Instagram - White Circle

Câmpus da Sede

SHIS QI 21 Área Especial Conjunto C1

Brasília, DF, Brasil | 71655-600

Telefones: +55 61 33661800

Câmpus da Educação Infantil

SMDB Conjunto 19 Chácara 02

Brasília, DF, Brasil | 71619970

Telefones: +55 61 33662947

Conferência de Educadores da Associação das Escolas Americanas na América do Sul (AASSA) 2017

 

A Escola das Nações enviou dezesseis profissionais para a Conferência de Educadores da AASSA, realizada na Escola Americana do Rio de Janeiro (EARJ) entre os dias 29 de março e 1º de abril. Três dos membros de nossa Instituição - Dra. Ana Maria Duque, Sra. Elisa Pereira e Srta. Annie Anderson - apresentaram workshops no evento. (Veja a descrição anexa de seus workshops ao final deste artigo).

 

Com base no tema (Re), a conferência teve como foco o think tank colaborativo com o objetivo de (re)pensar e (re)inventar a educação internacional. Destacaram-se três palestrantes: Craig Johnston, Michael Ehrhardt e Myron Dueck. Cada um deles desafiou o sistema de educação internacional atual, professores e alunos.

 

Os participantes escolheram entre diversas sessões, incluindo três institutos de período integral. Reuniram-se com colegas e participaram de sessões de orientação reversa lideradas por alunos da EARJ.

 

O principal palestrante, Craig Johnson, diretor da Escola Americana de Bombaim, abordou o tema (Re)volução. “Em 1624, John Donne escreveu, “Never send to know for whom the bell tolls; it tolls for thee.” (Nunca procure saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti) Donne queria dizer que “No man is an island, entire of itself.” (Nenhum homem é uma ilha, completo em si próprio). Continuou fazendo analogia de um continente com a raça humana e “each person, but a piece of the continent.” (cada pessoa, porém, é uma parte do continente). Hoje, em 2017, os sinos tocam para a Educação Internacional. Muito do que fazemos em Escolas Internacionais é irrelevante. E, por mais que uma única escola possa estar comprometida com a inovação e em se tornar mais relevante, sempre estará limitada ao que pode fazer porque uma “única escola” é apenas “um pedaço do continente” e, portanto, para nos manter vivos, é necessária uma revolução global. Mais especificamente, a inovação autêntica, sistêmica e sustentável acontecerá na Educação Internacional apenas se uma grande e influente coalizão de escolas identificar, em conjunto, e comprometer-se a abordar os elementos (dentro de nosso ecossistema) que precisam acabar. Ao mesmo tempo, deve implementar mudanças e inovações que se fazem necessárias. O palestrante compartilhou algumas “das coisas que precisam acabar” e ofereceu uma visão de como uma coalização global para a inovação e a relevância educacional poderia ser. (adaptado do Website da Conferência da AASSA).

Michael Ehrhardt, diretor da Cary Academy, abordou a necessidade de nos (Re)Comprometermos. “As escolas em todo o mundo enfrentam tremendas pressões disruptivas, e precisamos de liderança de professores mais do que nunca. Há grandes incertezas sobre o futuro, porém uma necessidade crescente de mudanças significativas e positivas, e os professores estão melhor posicionados para criar culturas de sala de aula e escola inovadoras e transparentes, com o poder de capacitar alunos para fazerem a diferença”. (adaptado do Website da Conferência da AASSA).

 

Myron Dueck explorou a ideia de (Re)estruturar. “Quando o conteúdo era nosso foco, entregamos grandes quantidades dele com pedagogia específica. Entretanto, mesmo em um olhar casual, é óbvio que o paradigma global mudou da entrega de conteúdos para competências como aplicação, pensamento crítico e criatividade. O fórum global recompensa o aprendiz competente que tenha uma fatia de inovação sobre outro com uma base de conhecimento ampla, porém superficial. Se o aprendizado é um esforço dinâmico, e há muitos caminhos para alcançá-lo, a forma como desenhamos o contexto para que ele aconteça se torna primordial. Uma vez que nossos alunos viverão para ver o século XXII, não vamos adivinhar o que será necessário, mas sim ajudá-los a desenvolver ferramentas necessárias para o avanço e a sobrevivência. ‘Reestruturar’ significa ‘adaptar ou alterar algo para torná-lo mais útil ou adequado’. Talvez isso seja exatamente o que precisamos fazer para permanecermos relevantes”. (adaptado do Website da Conferência da AASSA).

 

Seguem os nomes dos profissionais da Escola das Nações que participaram da Conferência de Educadores da AASSA 2017.

 

  • Kevin Jaramillo

  • Valmir Gomes de Oliveira Neto

  • David Jerome Esch

  • Melaney Tinkess

  • Daiana Rangel

  • Annie Rose Anderson

  • Elisa Pereira

  • Brad Dodge

  • Ana Maria Duque

  • Jessica Delavechia Oliveira Rodrigues

  • Blenda Batista de Oliveira

  • Reinhold Augusto Souza Bezerra

  • Diane Gerry

  • Olivia DiDio

  • Amanda Slack

  • Lisa Perskie

Please reload